mort@lidades
 

A mortalidade é considerada uma medida directa das necessidades em cuidados de saúde, reflectindo a carga global da doença na população, não só em termos da incidência da doença, como da capacidade de a tratar. Daí a importância dos indicadores de mortalidade no processo de planeamento da saúde e dos serviços de saúde.

webmort@lidades

A ferramenta webmort@lidades é o resultado da evolução de um conjunto de outras ferramentas que o Departamento de Saúde Pública (DSP) da ARS Norte tem vindo a desenvolver, nomeadamente, a mort@lidades.geres (mortalidade geral e específica), mort@lidades.prop (mortalidade proporcional) e mort@lidades.ACeS.

A ferramenta webmort@lidades, desenvolvida em Excel 2007, é um instrumento de observação e comunicação da saúde da população dinâmico e amigável, que permite uma consulta dirigida e interativa da informação disponibilizada. A ferramenta, relativa ao período 2001-2010, pode ser descarregada aqui (pode gravá-la para o seu computador):

Foi elaborado, também, o “Documento de Apoio ao Utilizador”:

Obs: Nas Opções deverá ativar as macros para que possa correr a ferramenta. Depois de “ENTRAR” navega pela ferramenta em modo de ecrã inteiro. Se necessário, deverá carregar “Esc” para voltar à visualização usual do Excel.


mort@lidades.infantil - Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes

A ferramenta mort@lidades.infantil visa promover o acesso a um melhor conhecimento e compreensão da dinâmica e das tendências dos principais indicadores de natalidade e mortalidade infantil, não só para a região Norte, como também para cada um dos seus 21 Agrupamentos de Centros de Saúde (ACeS) e 3 Unidades Locais de Saúde (ULS).

A ferramenta, relativa ao período 1996-2015, pode ser descarregada aqui (pode gravá-la para o seu computador):

Foi elaborado, também, o “Documento de Apoio ao Utilizador”:

Todos os indicadores são calculados desde 1996 de acordo com a organização administrativa mais recente da Região de Saúde do Norte.

Obs: Nas Opções deverá ativar as macros para que possa correr a ferramenta. Depois de “ENTRAR” navega pela ferramenta em modo de ecrã inteiro. Se necessário, deverá carregar “Esc” para voltar à visualização usual do Excel.

As anteriores ferramentas podem, também, ser consultadas:

Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, 1996-2009 (1ª versão):

 

mort@lidades.ACeS

Na ferramenta mort@lidades.ACeS pode aceder rapidamente a informação relevante sobre mortalidade, relativa ao período de 2001 a 2009, ao nível da região Norte e de cada um dos seus Agrupamentos de Centros de Saúde (ACeS)/ Unidades Locais de Saúde (ULS.

Hiperligações:


 

 

mort@lidades.geres - Mortalidade Geral e Específica

A análise da mortalidade geral e específica tem por objectivo a caracterização da distribuição geográfica de diferentes causas de morte na região Norte. É utilizada a taxa de mortalidade padronizada pela idade para observar a evolução de cada uma das causas de morte no quinquénio 2001-2005 e para fazer a análise comparativa, com recurso à visualização através de mapeamentos, entre diferentes unidades territoriais da região, ao nível das NUTS III e Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) / Unidades Locais de Saúde (ULS).

Aplicação  |  Guia do Utilizador  |  Documento PDF (9,8 MB)

mort@lidades.prop - Mortalidade Proporcional

A análise da mortalidade proporcional permite identificar, ao nível da região, o “peso” relativo de cada causa de morte no total dos óbitos ocorridos, nos óbitos prematuros (ocorridos antes dos 65 anos de idade) e nos óbitos ocorridos em cada fase do ciclo de vida (ou seja, por cada grande grupo etário), para ambos os sexos e por sexo. Pode observar-se a sua evolução ao longo do quinquénio 2001-2005 e permite também, para cada causa de morte, observar a distribuição percentual pelas diferentes fases do ciclo de vida.

Aplicação  |  Guia do Utilizador  |  Documento PDF (1,9 MB)

mort@lidades.evita - Mortalidade Evitável

A análise da mortalidade evitável considera um conjunto de mortes teoricamente evitáveis através de intervenções de carácter preventivo (mortes evitáveis sensíveis à promoção da saúde) ou curativo (mortes evitáveis sensíveis aos cuidados médicos) e permite, por exemplo, inferir sobre a efectividade das intervenções dos serviços de saúde e, portanto, do seu impacto na saúde das populações. Não pretende ser mais do que um indicador de potenciais fragilidades (pontos fracos) do sistema de prestação de cuidados e, assim, poder funcionar como uma espécie de sistema de “alerta”. Permite, também, informar/ orientar o Planeamento estratégico em Saúde.

Aplicação  |  Guia do Utilizador  |  Documento PDF (2,4 MB)

 

Voltar
 
pesquisa avançada >